domingo, 29 de janeiro de 2012

Tarja

De quê cor,é tua felicidade?
Vermelha?
Amarela?
Preta?
Nessa falseta felítica... Metade sonhos e metade tarjas...
Esses pórticos,tentam no limite da nossa existência,reverter a morte...Por vezes,conseguindo.
Tentamos sublimar as dores,nos tarjiano...Mas o que seria da vida,sem as dores?
Existe uma covardia coletiva,diante das dores... Seja ela minha ou a tua...
 
Sérgio Ricardo...

2 comentários:

  1. Amigo, adorei! Seus poemas enriquecem "nosso cotidiano".

    Beijo no coração.

    ResponderExcluir